quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Na véspera de julgamento, Lula ataca mercado, imprensa e governo



Manifestações em Porto Alegre em apoio a Lula
DOS ENVIADOS ESPECIAIS A PORTO ALEGRE
Um mercado com "yuppies, meninos", uma "elite perversa" e uma "imprensa mentirosa" foram os principais alvos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em seu discurso na Esquina Democrática, praça em Porto Alegre que sediou um ato em seu desagravo nesta terça (23).
Cerca de 70 mil pessoas compareceram naquele que teria sido o maior comício da cidade, realizado na véspera do julgamento do petista no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, segundo a organização.

Editoria de Arte/Folhapress







Como será o julgamento
"Ah, o mercado tem medo de Lula", disse, reproduzindo uma impressão que seria disseminada contra sua candidatura.
"Não sei se é mercado ou um bando de yuppies, meninos. Não preciso do mercado, preciso de empresas produtivas, preciso de agricultura produtiva e a agricultura familiar, responsável por 70% do alimento na mesa do povo brasileiro. Preciso que o povo participe para que a gente possa recuperar esse país", afirmou o homem que, em 2002, divulgou a Carta ao Povo Brasileiro para apaziguar desconfianças de empresários e investidores com sua chapa presidencial.

Editoria de Arte/Folhapress




Chamada próximos passos
"Se eu fosse a tranqueira que eles falam... Tranqueira por tranqueira, eles arrumaram o Temer, arrumaram o golpe. Eles sabem que nós sabemos cuidar do povo brasileiro."
Continuou: "Não posso me conformar com complexo de vira-lata que tomou conta do país", disse o ex-presidente, que em seguida criticou uma "elite subserviente que quer falar grosso com a Bolívia e como um gatinho com os EUA".

Editoria de Arte/Folhapress



 Entenda o caso triplex
A oratória incluiu críticas consecutivas à Rede Globo. "Duvido que o William Bonner, da Globo, durma todo dia com a consciência limpa que estou. Sei que não cometi crime, mas ele sabe que está mentindo."
Alvejou ainda Luciano Huck –não mencionou seu nome, mas citou um "candidato inventado pela Globo num caldeirão". O global apresenta o "Caldeirão do Huck" no canal. 

'MEDO'
"Teve um momento em que o PT ficou com medo. Toda vez que a gente fica com medo o adversário cresce", disse o ex-presidente.
Lula disse que os jornais brasileiros são mentirosos e que o "New York Times" publicou matérias que a imprensa brasileira não tem coragem de divulgar.
"Eu tenho pena dos jornalistas que trabalham aqui no Brasil, porque ele sai para cobrir as matérias com uma ordem do editor e aí, se não fizer, é mandado embora", disse.
Lula afirmou aos manifestantes que falaria do Brasil, e não de seu processo, por três motivos. "Primeiro, porque eu tenho advogados competentes que já provaram minha inocência", afirmou.
"Segundo, porque eu acredito que aqueles que vão votar deverão se ater aos autos do processo e não às convicções políticas de cada um. Terceiro, porque eu tenho vocês com quem eu convivo há mais de 40 anos e vocês sabem da minha inocência."
Para Lula, seus inimigos não toleram que as classes menos favorecidas que antes de seu governo tinham na mesa "carne de segunda e passaram a comer carne de primeira". Pior: "As pessoas ficaram tão folgadas que não queriam mais andar de ônibus".

Editoria de Arte/Folhapress




Entorno da área do julgamento de Lula em Porto Alegre
A direita começou então a atribuir os males do país "a uma doença chamada PT, PC do B, Dilma, Lula". Praticou "uma cirurgia" para destituir Dilma em 2016, e o povo "continuou anestesiado", afirmou.
"Agora estamos acordando. A doença que tentaram tirar está sendo substituída por uma bem pior, que não traz esperança ao povo."
Marcha do MST em Porto Alegre


Lula arrematou sua fala de 36 minutos com uma frase que já virou clichê em seus atos: "Tenho 72 anos de idade. Tô com energia de 30 e tesão de 20 para lutar.
O volume de participantes e sua repercussão na imprensa internacional, com artigo em sua defesa publicado no mesmo dia pelo "The New York Times" e mencionado por Lula no palco, alimentaram uma esperança entre os petistas.
Ele pediu que as pessoas leiam o "The New York Times", o "El Pais", para ter acesso a "coisas que a imprensa brasileira não tem coragem de publicar".
Colaboradores do ex-presidente sonhavam com a possibilidade de pedido de vistas que estenderia o processo, permitindo o registro de sua candidatura –o prazo é 15 de agosto.
Lula veio num voo com o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad e o escritor Raduan Nassar. Ficou esperando no aeroporto por cerca de 45 minutos até que avisassem que tinha público no ato.
Amigo de Lula, o deputado Wadih Damous reconheceu: "Até a semana passada, eu acreditava que poderia ser três a zero [três juízes vão julgar o petista]. Hoje, é imponderável".
 
 Fonte: Folha de São Paulo